Sabemos que comprar novos pode não ser a etapa mais barata da manutenção do veículo, mas é uma das mais importantes. Por isso, apesar de existirem outras opções além dos pneus novos, a questão é: estas outras opções oferecem a mesma segurança, conforto e durabilidade? Entre as alternativas para os pneus novos estão a remodelagem, recauchutagem e a recapagem de pneus.

Todas elas visam reformar parte de pneus que já rodaram bastante (cerca de 50 mil km) e não teriam mais condições de pegar estrada por estarem muito gastos. Veja a diferença entre elas:

Remodelagem de pneus

Os pneus remoldados (ou remodelados) passam por um processo de reaproveitamento mais completo, em que toda a sua estrutura externa é refeita: laterais, ombros e banda de rodagem.

Nesse processo perdem-se todas as informações importantes que vêm gravadas no pneu original, como a marca, modelo, dimensões, índice de carga e velocidade e número de série.

Leia neste artigo mais detalhes sobre a remodelagem de pneus e se é uma opção válida para você.

Recauchutagem de pneus

Diferente da remodelagem, no método de recauchutagem de pneus apenas a banda de rodagem e os ombros são recuperados.

Recapagem de pneus

E por fim, no processo de recapagem de pneus usados, só a banda de rodagem é reformada. Nesse método, diferente da remodelagem, o pneu não perde todas as informações originais, pois elas ficam gravadas nas laterais e não na banda de rodagem.

Como funciona o processo de recapagem de pneus?

O pneu passa por uma série de etapas dentro do processo de reforma:

1 – Inspeção. Verifica-se a real condição do pneu para garantir que ele possa ser reaproveitado com segurança.

2 – Limpeza. O pneu aprovado para a recapagem é limpo para estar livre de qualquer tipo de sujeira e outros resíduos.

3 – Raspagem. Onde remove-se a banda de rodagem antiga.

4 – Escariação. Onde são corrigidas as possíveis imperfeições existentes na parte interna da banda de rodagem.

5 – Core. Mais uma etapa de preparação para que o pneu receba a nova banda de rodagem.

6 – Cimentação. Onde a banda de rodagem recebe um banho de cola para melhor aderência no pneu.

7 – Enchimento. Coloca-se uma camada de borracha em cada furo ou imperfeição que havia no pneu.

8 – Preparação de banda. É onde um profissional separa a banda de rodagem nova adequada para determinado pneu.

9 – Aplicação de banda. Onde efetivamente a nova banda de rodagem é aplicada.

10 – Montagem. Onde o pneu é preparado para a vulcanização. Ele recebe um envelopamento interno e externo para que a nova banda não se solte no processo de vulcanização.

11 – Processos finais de acabamentos e inspeção do resultado.

Mas e a segurança, o conforto e a durabilidade?

Entendidas as diferenças nos processos de reforma de pneus usados, ainda é preciso levar em consideração que só os pneus novos têm garantia de segurança e durabilidade. Apenas eles passam por uma bateria de testes e são aprovados pelo Inmetro.

Mesmo que a remodelagem, a recauchutagem ou a recapagem de pneus sejam procedimentos feitos com cuidado e profissionalismo, sua vida útil continua sendo menor.

As partes interiores desses pneus usados ou as partes que não passaram por reforma vão continuar desgastadas, oferecendo menor segurança, conforto ao dirigir e durabilidade.

Conclusão: a recapagem de pneus pode ser uma opção, mas de médio prazo

Pensando no que realmente importa: segurança ao dirigir e a alta performance do pneu, o melhor conselho é que você prefira colocar pneus novos no seu veículo, prezando sempre por lojas e distribuidores de referência.

Se não puder investir em pneus novos, procure fábricas e lojas com boa reputação no mercado e indicadas por conhecidos de confiança para escolher o melhor processo de reforma possível.

Outra alternativa é que, enquanto aproveita o máximo cada pneu novo fazendo o processo de rodízio – o que já é uma economia – você vai juntando o valor necessário para a compra dos próximos pneus novos para o seu veículo.